Em tempos de 3D qual fotografo amador ou profissional não gostaria de ter uma camera digital 3D, que tal uma Fuji FinePix Real 3D, Cyber-Shot 3D ou uma Lumix DMC-GH2?
Como nem sempre é possível contar com a companhia destas ilustres representantes da fotografia em 3Dimensões, infelizmente, então que tal colocar os neurônios em ebulição e fazer vc mesmo sua foto 3D utilizando uma camera comum? boa idéia? pois siga os passos abaixo e crie uma foto 3D única.

“Eis um passo-a-passo para montar imagens estereoscópicas anaglíficas para ver com óculos no monitor do computador, no espaço de cor RGB.

1- Coloque as duas fotos, esquerda e direita, como camadas (layers) sobrepostas num só documento de imagem do Photoshop. Renomeie a imagem esquerda como E e a direita como D.

2- Use a função Edit>Auto-Align Layers, opção Reposition Only. Isso irá corrigir diferenças de alinhamento vertical entre as imagens. Não se preocupe ainda com o alinhamento horizontal.

3- Arraste a camada E, esquerda, para o topo da pilha na paleta Layers. Ponha essa camada em modo Multiply, que é transparente. A fusão das imagens ficará bem mais escura; isso é normal.

4- Ainda na camada de cima (E, olho esquerdo, filtro vermelho), abra a caixa Levels, selecione Green no menu pop-up, clique na seta preta abaixo da palavra Output e desloque-a completamente para o canto direito. A imagem parecerá esverdeada. Repita isso no canal Blue. A imagem ficará azul celeste.

5- Selecione a camada de baixo (D, olho direito, filtro azul), abra novamente a caixa Levels, selecione Red no menu pop-up e desloque a seta preta de Output até o canto direito, deixando a imagem avermelhada.

6- A imagem final parecerá ter as cores originais restauradas, mas apresentando franjas coloridas nas laterais dos objetos, como a imagem número 4 na galeria (veja na aba, acima).

7- Mova qualquer uma das duas camadas no sentido horizontal, a fim de escolher o ponto convergente da imagem – aquele em que as imagens direita e esquerda se encaixam. Esse ponto, que usualmente corresponde ao ponto de foco das fotos, apresenta a característica de ser percebido como estando no mesmo plano da superfície do suporte (monitor ou folha de papel). Os demais objetos na cena serão vistos como atrás ou à frente desse plano.

O passo-a-passo para montar imagens em CMYK (espaço de cor usado para impressão em papel e outros suportes em cores) é um pouco mais complexo:

1- Igual aos passos 1 a 3 para RGB: coloque as duas imagens como camadas sobrepostas de um só documento, com a de cima correspondente ao olho esquerdo e em modo Multiply.

2- Acesse as preferências de separação de cores: Edit>Color Settings (Command-Shift-K). Selecione Custom CMYK no menu pop-up CMYK. Mude a opção Ink Colors de SWOP para Eurostandard (o padrão mais usado para offset no Brasil), e abaixo, no menu GCR, mude de Medium para None. Dê OK. Essa mudança produzirá uma separação de cores na qual o canal K (preto) permanecerá completamente sem tinta, melhorando a separação entre as imagens e minimizando o efeito ‘fantasma’ nos filtros coloridos (que é quase imperceptível com imagens em RGB, mas bastante visível em CMYK).

3- Na camada de cima (E), abra a caixa Levels e mova a seta preta embaixo de Output para o canto direito do gráfico, nos seguintes canais: Magenta e Yellow.

4- Na camada de baixo (D), abra a caixa Levels e mova a seta preta embaixo de Output para o canto direito do gráfico, no canal Cyan.

5- Volte a Color Settings e mude de volta a separação para GCR Medium para o Photoshop voltar a fazer separações de cores normalmente.

6- Repita o passo 6 de RGB, movendo lateralmente as camadas até fazer coincidir o objeto na cena que está no plano focal.

O resultado em CMYK apresenta alguma perda em relação ao RGB, inerente às tintas de impressão, e fica menos contrastado que uma foto normal, o que tem o efeito colateral positivo de não ‘embolar’ muito as sombras. (veja a foto número 5 na galeria, na aba, acima)

Para garantir o sucesso do seu anaglifo
Já mencionamos que os estereogramas feitos com fotos consecutivas não devem registrar movimento significativo de um objeto entre os dois olhos. Por exemplo, nas fotos número 5 e 6 da galeria, acessível pela aba, acima), feitas com tripé no meio da rua, foi preciso esperar o sinal fechar e os carros pararem. Mesmo assim, quase sempre alguma coisa está em posição diferente entre as imagens esquerda e direita.

Aplicam-se também as seguintes observações:

1- Optamos nos tutoriais acima por não transformar as imagens dos anaglifos em preto e branco antes de processá-las, pois a cor residual as torna mais atraentes para quem as visualizar sem óculos. Mas a conversão P/B será necessária se a cena contiver objetos de cores muito saturadas na faixa do vermelho ou do azul, pois eles perderão a sensação tridimensional ao serem vistos através dos óculos, por parecerem muito mais iluminados para um olho do que para o outro. O problema é mais forte para o olho esquerdo (vermelho), para o qual tudo o que for azul, celeste ou verde parecerá preto ou muito escuro, e o que for vermelho ou amarelo parecerá quase branco. O filtro azul no olho direito reage menos, pois para ele vermelho parece preto, mas as demais cores do espectro são menos afetadas.

2- Ao planejar a foto, você deve escolher o objeto que será o centro da composição, e apontar o centro do quadro da câmera para ele em ambas as fotos. Portanto, entre as duas imagens a câmera não se move em paralelo com a cena, e sim convergindo um pouco. Se esse cuidado não for tomado, vai sobrar bastante área lateral sem sobreposição quando você montar o 3D.

3- O objeto no qual as duas imagens componentes do anaglifo coincidirem (isto é, estiverem em perfeito registro uma com a outra) será percebido como estando no mesmo plano do suporte (a tela ou folha de papel na qual a imagem é apresentada). Esse é o chamado ponto convergente da imagem. Os demais objetos da cena estarão mais ou menos fora de registro e serão percebidos como estando mais próximos ou afastados do suporte.

4- A dica acima tem exceções: nem sempre o objeto focal será o mais indicado para deixar em registro alinhado, Dependendo da distância de visualização, você irá perceber que os olhos simplesmente não conseguirão contemplar um objeto próximo cujas imagens estiverem muito separadas (por exemplo, o semáforo em primeiro plano na foto acima). Ajuste a posição lateral relativa entre duas imagens até obter o efeito 3D mais fácil de visualizar sem precisar forçar a vista.

Brinde especial: Actions de Photoshop para 3D
No atalho tinyurl.com/36a99me, você tem para baixar um pacote de Actions de Adobe Photoshop (para qualquer versão CS), que irá ajudar você a processar imagens em 3D no seu computador. Ele contém as seguintes Actions:

3D Anaglifo RGB – Passos 2 a 6 do tutorial RGB (os passos 1 e 7 exigem operação manual).

3D Anaglifo CMYK – Passos 2 a 5 do tutorial CMYK (os passos 1 e 6 exigem operação manual).

3D Anaglifo – Crop – Contém um procedimento simples para descartar as partes que restam sem sobreposição na imagem já combinada. (Use-a depois de alinhar as camadas.)

3D Divergente – Muda a largura da imagem e acomoda a imagem esquerda à esquerda da direita. (A altura usada de 1200 pixels é arbitrária: mude-a conforme necessário.)

3D Convergente – Muda a largura da imagem e acomoda a imagem direita à esquerda da esquerda. (A altura usada de 1200 pixels é arbitrária: mude-a conforme necessário.)” (- Mario Amaya – editor da revista Digital Photographer Brasil).

O íncrivel é que o 3D chega com seus dias contados, logo entraremos na era da holografia, e aí teremos cameras holográficas, aguardem e verão.