CTPSA velha Carteira de Trabalho e Previdência Social finalmente vai se modernizar e seguir o exemplo do CPF – virar cartão eletrônico.

Projeto em elaboração na área técnica do Ministério do Trabalho prevê a substituição das carteiras de papel – que completa 76 anos – por cartão eletrônico. A substituição será gradual, pois não será possível trocar de uma só vez os documentos de pelo menos 29 milhões de brasileiros com carteira assinada (de acordo com o Cadastro Geral de Empregados e Desempregados – Caged). Isso sem falar nos desempregados e os que têm mais de uma carteira, o que eleva este número para mais de 60 milhões de carteiras emitidas.

A principal vantagem do documento eletrônico será a desburocratização, dimuindo o número de fraudes e ganho de produtividade. Acredita-se que, com a criação de um banco de dados único, o combate ao surgimento de carteirtas falsas ou desvio de valores do FGTS será mais eficaz.

Trabalhadores que perdem a caderneta de papel muitas vezes têm que ir às empresas onde trabalharam para recolher documentos a fim de se aposentar no futuro. Com o documento eletrônico, quem pedir a segunda via da carteira receberá um cartão com todos os dados do anterior. Outra vantagem será a possibilidade do trabalhador checar, com seu cartão, seu saldo no FGTS e descobrir a tempo se a empresa onde trabalha está efetivamente realizando depósitos em seu nome.

“Entre a CTPS e o sistema informatizado de registro há um abismo tecnológico, que pode ser eliminado com a adoção de cartão magnético de identidade profissional, semelhante a outros que os trabalhadores utilizam com habitualidade, como é o caso do Cartão Cidadão, emitido pela Caixa Econômica Federal”, informa Almir Pazzianotto Pinto, ex-Ministro do Trabalho. “O Cartão Cidadão vem sendo subtilizado e poderá converter-se em Carteira de Trabalho Eletrônica, com acesso a todas as outras informações relativas ao contrato de trabalho, além daquelas que concernem ao FGTS.”

Os cartões eletrônicos devem ser inicialmente implementados em seis Estados (SP, RJ, MG e mais três das regiões Norte e Nordeste) em substituição a parte dos 6 milhões de novos documentos emitidos a cada ano, segundo estima o ministério.

O Ministério do Trabalho planeja apresentar o cartão no dia 1º de maio, durante as festas comemorativas pelo Dia do Trabalho das principais centrais sindicais do país.

Depois de CPF em cartão eletrônico, cartão do cidadão, voto em urna eletrônica, entrega da declaração do imposto de renda via internet e outros, já era hora de mais uma inovação tecnológica no nosso velho Brasil.